Postagens

Felicidade ou morte

Imagem
A escolha do título que deve encher esta página sempre gera certa ansiedade. Isso porque qualquer escolha é excludente. Inúmeras outras opções ficam de lado para a eleição de um único livro. Assim como tudo em nossa vida: escolhemos algo e deixamos trilhões de outras possibilidades para trás. Saber se foi a decisão acertada, não há como. Apenas vamos escolhendo. Assim é com a casa, os simples utensílios que nela colocamos, mas também com outras resoluções de maior importância, como o marido, o namorado, a profissão, o filho. Cada escolha, então, requer uma ou várias recusas.

“Felicidade ou morte” foi a opção para esta publicação. Poderia ter sido um Best seller; um vencedor do Prêmio Pulitzer, mas não. Foi a Clóvis de Barros Filho e a Leandro Karnal que coube tomar este espaço. Esta preferência se deu por um motivo em específico: o título, afinal falar de felicidade nunca será demasiado cansativo ou tido como finalizado, sempre caberá mais um debate. Mais um pensamento. Mais uma tentat…

O papai é pop

Imagem
Lançado em 2015, a primeira edição de “O papai é pop” demorou pra chegar aqui em casa, muito embora tínhamos tudo para adquiri-lo logo na sua publicação. Afinal, assim como a maioria dos pais de primeira viagem, estávamos ávidos por informações sobre este maravilhoso mundo de ter filhos. Talvez tenha sido pela postura do autor, Marcos Piangers, no programa Pretinho Básico, que parecia meio arrogante, meio debochado, sei lá, figuras imaginárias que o rádio tem a capacidade de criar. Pois, pelo sim, pelo não, fui deixando este título de lado. Eis que este ano, com “O papai é pop 2” e “A mamãe é rock” resolvi abrir mão de meu pré-conceito e dei a Pinagers a chance de entrar em nossa casa.  Foi uma visita curta, já que a obra é fácil e rápida de ler. Não foi necessário mais que uma semana (há alguns anos teriam sido 1 ou 2 dias, mas quem tem criança pequena vai me entender) para conhecer a obra. Uma leitura leve, divertida e bem atual. Com textos de temas diversos, o autor repassa as suas …

Noite em claro

Imagem
Ao olhar para este livro você pode simplesmente ignorá-lo. Simples, pequeno, barato. A única coisa que poderá despertar a tua atenção é quem o escreve, Martha Medeiros, e aí, sim, você passa a dar a atenção que ele merece.  Agora falemos menos da escritora e mais do livro. Neste que podemos também caracterizar como uma novela. Ou como diria um antigo professor: livro de uma sentada. E uma sentada rápida, há que se dizer.  Em 30 minutos você é capaz de penetrar no romance que tem a duração de uma chuva. É assim que, decidida, a jornalista, protagonista da obra, conduz o livro: será escrito enquanto chove!  Em uma noite de 12 de junho, o dia dos namorados e também da solidão, ela, a jornalista, decide que também terá uma obra pra chamar de sua. Começa o romance. Em questão de dois capítulos conhecemos Éder, o admirador secreto, Roger, o marido paraplégico, e o namorado com quem transou pela primeira vez, também numa noite chuvosa. Mais algumas linhas e chegamos a Carlos, o jogador de futeb…

Levado pela Arte e a Aventura

Imagem
O tema desta coluna nos remete ao ano de 1928, pois é nesta data que, na pequena povoação de Gouvinho, Portugal, vem ao mundo Agostinho Lourenço Duarte, um dos artistas plásticos que, ao fazer o que melhor sabia, ajudou também a desenvolver e expandir a arte de Chapecó.  Por hora, esqueçamo-nos do “Lourenço” e fiquemos apenas com Agostinho Duarte, como ficou conhecido este artista português que, pelo amor (à Edite, sua esposa), escolheu Chapecó por sua morada, em 1976. A ele, mais que admiração pelo trabalho desenvolvido, fica o agradecimento por ajudar a impulsionar o movimento artístico do Oeste do Estado, mais precisamente de Chapecó. Foi um dos fundadores do CHAP – Grupo Chapecoense de Artes Plásticas, em 1979; do SCPSC – Salão Chapecoense de Artistas Plásticos de SC, no início dos anos 80; da ACHE – Associação Chapecoense de Escritores, em 1986; e da ACHAP – Associação Chapecoense de Artistas Plásticos, em 2002.  Mas calma lá, que começamos a falar dos trabalhos de Agostinho sem re…

Ariana

Imagem
Nome de menina. Nome de operação militar. Nome de um diário. Nome de mulher. Tudo isso em uma Ariana só: a criada pelo escritor brasileiro Igor Gielow em seu primeiro romance.  A trama de Gielow se passa no Paquistão e tem início com a Ariana diário, onde está descrito a vida de uma adolescente, sua paixão proibida, seus planos de fuga, seus sonhos de construir uma vida ao lado de Iqbal. Aí encontramos a outra Ariana, a menina. A que escreve no diário, a que mora com os pais e que segue a tradição paquistanesa, por mais dura que esta possa parecer. Depois surge a Ariana operação militar, traçada pelo serviço secreto do governo, o ISI; que busca conhecer melhor as relações da garota com Ahmed, o marido prometido, e as bombas nucleares que este tenciona produzir.  É neste “enrolar/desenrolar” que conhecemos também Mark Zanders, o jornalista brasileiro com nome de inglês que tenta desvendar os enigmas acerca do diário, da menina e da operação.  A história tem início com Mark sofrendo um ate…

Ganhadoras da Promoção "O Prazer é todo seu!"

Imagem
E as ganhadoras na promoção "O Prazer é todo seu" são:

Michele Fornalski,
com o comentário no livro "Xô Mau Humor"


















Marcela Mayrinck
com o comentário no livro "As mentiras que os homens contam"

O prazer é todo seu!

Imagem